quarta-feira, 21 de maio de 2008

Soneto do Falso Poeta


É um sujeito pretencio0so

Agora metido a escritor

Para próprio deleite e gozo

Pensa entender de dor e amor


Rabiscando o cotidiano

Com sua visão de cara insano

Usando palavras corriqueiras

Sem temor de dizer asneiras


Este sim é um falso poeta

Na pobreza de suas rimas

Por vezes atinge uma meta


Caro leitor este é o engodo

Atente-se à sua escrita

Ele quer enganar o mundo todo.


São Paulo, de manhã esperando o médico no dia 21 de maio de 2008,

digitado por Luz.

3 comentários:

dianaluz disse...

amo o amorzinho...

Estrela disse...

se falso és este poeta, quem há de ser o verdadeiro?

Anônimo disse...

Poeta, só poeta.
Não é falso ou verdadeiro.
É ser e querer ser poeta.

:D